Moradia em Vila Alegre, Seixal. Fevereiro de 2021.

1. Dados Gerais do Projeto “Moradia em Vila Alegre”

Nome do projeto: Moradia em Vila Alegre

Data do Projeto de Estabilidade: Fevereiro de 2021

Tipo de obra: Obra de construção de uma moradia

Localização da obra: Vila Alegre, Seixal, Portugal

Cliente: Particular

2. Projeto de Arquitetura

O descrito em relação ao Projeto de Arquitetura, é no essencial o que consta da respetiva Memória Descritiva. E créditos devem ser dados ao seu autor.

2.1 Autoria do Projeto de Arquitetura

Autoria da Arquitetura do projeto “Moradia em Vila Alegre”: Arquiteto Bruno Ramos

2.2 Enquadramento

O lote da moradia, possui aproximadamente 1600 metros quadrados (ou mais exatamente 1598 metros quadrados) e está localizado em Vila Alegre.
Vila Alegre, freguesia de Fernão Ferro, conselho do Seixal.

Na sua envolvente são encontradas moradias de volumetria significativa e semelhante ao proposto para este trabalho.

O local encontra-se servido por uma rede viária com boas condições de acesso.

2.3 Descrição do edifício

A construção prevista não procura um mimetismo, mas sim, estabelecer um diálogo com a envolvente.

Recorre a uma linguagem arquitetónica contemporânea e na sua essência é marcada pela simplicidade geométrica.

A habitação desenvolve-se em “L”, com 2 grandes volumes ou como se duas habitações se tratasse.
Possui amplo espaço exterior e uma piscina ao nível do piso Térreo.

Piscina que contempla no nível inferior, na cota da cave, a casa das máquinas uma instalação sanitária de apoio à piscina e ao espaço exterior.

A moradia é constituída por três pisos.

2.3.1 Piso 0

No piso 0, a habitação possui duas entradas, que dão para salas distintas.

Ainda neste piso podemos encontrar um quarto, três instalações sanitárias, uma dispensa, uma lavandaria e uma cozinha aberta para a sala de 44 metros quadrados.

Moradia em Vila Alegre. Planta do Piso 0.
Moradia em Vila Alegre. Planta do Piso 0.

2.3.2 Piso 1

O piso 1 desenvolve-se em dois corpos, sendo cada um deles servido por uma escada que chega a um hall de distribuição para as restantes divisões.

O corpo mais pequeno, para além do hall possui ainda dois quartos. Um deles com instalação sanitária privativa.
Ambos os quartos dão acesso a uma varanda exterior de dimensões generosas.

No volume maior, o hall dá acesso a dois quartos. Ambos os quartos com instalação sanitária de uso privativo e um closet.

Um dos quartos dá acesso a uma varanda. O outro dá acesso a um amplo terraço de aproximadamente 40 metros quadrados, ou mais exatamente de 39,20 metros quadrados.
Terraço este, que é localizado por cima do estacionamento previsto no piso 0.

Moradia em Vila Alegre. Planta do Piso 1.
Moradia em Vila Alegre. Planta do Piso 1.

2.3.3 Cave ou Piso -1

A cave ou o piso -1, é destinado a garagem e arrumos.

Moradia em Vila Alegre. Planta do Piso -1.
Moradia em Vila Alegre. Planta do Piso -1.

2.4 Sistema Construtivo

2.4.1 Estrutura

A Estrutura prevista para a moradia é de betão armado.

2.4.2 Paredes

As paredes são em alvenaria de tijolo e as paredes exteriores são duplas com isolamento térmico tipo ‘WallMate’ no seu interior e nas suas faces exteriores.

2.4.3 Pavimentos

Sobre as lajes, idealizadas estruturalmente em lajes maciças de betão armado, é aplicada uma camada de betonilha.

Os quartos são revestidos com soalho de qualidade. Nas instalações sanitárias e espaços comuns, são aplicados mosaicos cerâmicos ou pedra.

Os pavimentos exteriores do piso 0 são em placas de betão.
Nas varandas do piso 1, os pavimentos são revestidos em pedra ou mosaico.

2.4.4 Cobertura

A cobertura da moradia é composta por lajes em terraço, com betonilha formando pendentes com inclinação mínima de 2%.

2.4.5 Vãos, portas e janelas

Todas as caixilharias são em alumínio e os vãos são preenchidos por painéis de vidro duplo.

Os vãos das janelas e portas exteriores levam peitoris e soleiras, em pedra com espessura de 3 cm.

As portas interiores, bem como todos os trabalhos de carpintaria, são executados em madeira. Madeira de boa qualidade, devidamente tratada e posteriormente envernizada ou lacada.

2.4.6 Acabamentos

No interior, os gradeamentos e corrimãos são em aço pintado a esmalte cinza escuro.
No exterior os gradeamentos e corrimãos são em aço e vidro.

As loiças sanitárias são de boa qualidade com modelos e cor por definir.
Os lavatórios são de encastrar e as banheiras de embutir.

2.5 Áreas e parâmetros urbanísticos globais

  • Área do Lote: 1598,00 m2
  • Área de Implantação: 149,75 m2
  • Área Bruta do Piso 0: 149,75 m2
  • Área Bruta do Piso 1: 147,33 m2
  • Área Bruta do Piso -1 ou Cave: 148,56 m2
  • Área Descoberta: 1448,25 m2
  • Área Permeável: 1059,95 m2 (66,33%)
  • Cércea a partir da cota de soleira: 6,30 m
  • Volumetria a partir da cota de soleira: 945,00 m3

3. Projeto de Estabilidade

3.1 Autoria do Projeto de Estabilidade

Autoria da Estrutura e Fundações, deste projeto “Moradia em Vila Alegre”: Engenheiro António Marquês

3.2 Generalidades da Estrutura e Fundações

Como descrito no Projeto de Arquitetura, trata-se de um imóvel que se desenvolve em três pisos, ou dois pisos mais cave.

O número de patamares considerado no Projeto de Estabilidade, para esta moradia em Vila Alegre, foi de sete. Designadamente e por ordem ascendente:

  • Nível 1: Fundação;
  • Nível 2: Piso do -1;
  • Nível 3: Tecto do -1;
  • Nível 4: Tecto do 0;
  • Nível 5: Tecto do 1 / Cobertura.

A estrutura da moradia, tem características próprias de um edifício de estrutura em betão armado, e é genericamente constituída por lajes, vigas, pilares, muros e elementos de fundação.

Os materiais utilizados são os seguintes: Aço A500 e Betão de classe varável.

Os recobrimentos adotados são de 5 centímetros para as fundações e de 3 centímetros para os restantes elementos.

No projeto, foi adotada uma espessura de 25 centímetros para as secções de pilares e vigas.

3.3 Grau de complexidade da Obra

A obra apresenta uma complexidade considerável, derivada, por exemplo, do seguinte:

  • das descontinuidades do modelo e do número significativo de elementos de transição;
  • do número significativo de elementos de transição, associados a uma solução idealizada pela Arquitetura de lajes “lisas” ou lajes fungiformes;
  • do grande número de pilares, dos diferentes tipos de pilares ou dos diferentes patamares onde estes pilares nascem e terminam;
  • dos vãos a vencer – especialmente das zonas em balanço ou em consola – combinados com um modelo com bastantes descontinuidades e abundante em elementos de transição.

3.4 Volume de peças do Projeto de Estabilidade

Tendo em conta a volumetria da obra desta moradia, o respetivo projeto de Estabilidade, vai naturalmente gerar um número de peças importante. Designadamente no que respeita a desenhos.

O grau de complexidade apresentado, também pede maior atenção e cuidado, das peças em geral e dos desenhos em particular.

3.5 Quantidades da Obra

As quantidades obtidas para a obra, foram as seguintes:

  • Fundações (o que inclui as sapatas isoladas e as sapatas contínuas dos muros de betão): 71,120 metros cúbicos de betão e 3747 quilogramas de varões de aço;
  • Estrutura: 308,860 metros cúbicos de betão e 31 133 quilogramas de varões de aço.

Para o Projeto de Estabilidade desta moradia em Vila Alegre, foi utilizado software BIM (Building Information Modeling), gerador de ficheiros IFC (Industry Foundation Classes).

3.6 Legislação

Em Fevereiro de 2021, a Estrutura desta moradia em Vila Alegre, foi calculada e dimensionada, segundo o Regulamento de Segurança e Acções (RSA), e o Regulamento de Estruturas de Betão Armado e Pré-Esforçado (REBAP).